quinta-feira, 5 de novembro de 2009

* O canto do feirante *




quem quer comprar

quem quer comprar

frutas fresquinhas

vindas do pomar


senhor Francisco

dona Maria

venham olhar

também tem sardinhas

tem truta vinda do mar


quem quer comprar

quem quer comprar

sonho, cocada e brigadeiro

doces para se lambuzar

olha o pé-de-moleque arteiro


venha compadre

venha comadre

aqui tem farinha torrada

queijo mineiro e goiabada

ora tem de tudo

ora não tem nada


Úrsula Avner


* poema com registro de autoria
* imagem do google- sem informação de autoria

11 comentários:

  1. Que linda y tierna tu poesía..

    Un beso..


    Un abrazo
    Con el saludos fraterno de siempre..

    ResponderExcluir
  2. Volteiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
    Adoro vim aqui,é tudo tão bom...
    Eu quero frutas fresquinhas pois está um calor doido aqui...
    Um beijo miguinha...

    ResponderExcluir
  3. Ursula,que poesia gostosa de ler e cheia de coisas gostosas de comer!...rsss...Suas gotinhas estão cada dia mais bonitas!Bjs,

    ResponderExcluir
  4. Maravilha de feira essa!!! Lindo!beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. farinha de mandioca não pode faltar. tutu de feijão, posso comer todo dia.

    ResponderExcluir
  6. Ursula,

    essa poesia-pregão é tão envolvente, que cheguei a ouvir o burburinho da feira!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Parece um cantiga de roda...não acha?
    Lindo...encanta..pura magia.
    Como sempre.
    Beijos amiga,
    Lindo final de domingo,
    Rê.

    ResponderExcluir
  8. Olha, me lembrei da "Chácara do Chico Bolacha", de Cecília Meireles, onde "o que se procura nunca se acha".

    Como é bom ser criança, não importa que idade tenhamos!

    Voltarei sempre aqui.

    ResponderExcluir
  9. Úrsula
    lindo este espaço, adorei!
    Eu volto ;)
    bj
    Gi

    ResponderExcluir
  10. Voc~e me fez lembrar um senhor que passava nas ruas do meu bairro,quando eu era menino. Ele vendia cocada e passava gritando: branca,morena...branca,morena...branca,morena. Eram as cores das cocadas. Incessantemente, não sei como tinha tanto fôlego. E a criançada se divertia, ia atrás dele até na esquina. Um dia eu não tinha dinheiro, acho que ele viu meu olhar e ficou com dó e me deu uma. Parabéns pela criatividade. Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Agradeço de coração a todos que me visitaram e deixaram registrado aqui seu amável comentário. Bj em cada um.

    ResponderExcluir